Pular para o conteúdo principal

Um outro Tipo de Cabaça




Esta cabaça não tem "pescoço" e dá em árvores! Estou louca para achar uma muda e plantar no meu quintal.

Ela é de uma espécie não aparentada com a outra cabaça, a árvore Crescentia cujete (bignoniáceas), também conhecida como calabaça, cuia, cuieira, coité ou árvore da cuia. 

Seu fruto, depois de lavado e seco, é utilizado como caixa de ressonância em berimbaus (instrumento musical afro-brasileiro) e como recipiente para líquidos, incluindo o chimarrão. 

Originária da América central, foi introduzida na América do Sul. Seu nome científico é Crescentia cujete L. Pertence à família das Bignoniaceae. As sementes podem ser consumidas depois de cozidas, possuindo elevado conteúdo protéico.

"Imaginar como as sociedades tradicionais viviam sem latas, embalagens de vidro, plástico, isopor e papel, só é possível sabendo que tinham um modo de vida não acumulativo, ou seja, coletavam e colhiam o que consumiam em um breve período de tempo.

É um exercício que possibilita entender o grau de utilidade de certas plantas e porque é difícil identificar a origem de algumas espécies, devido a sua dispersão.

É o caso desta árvore dos coitês, cujo fruto partido ao meio, como ilustra o desenho da viagem do naturalista A. R. Ferreira, depois de esvaziado fornece uma cuia, um coité ou um bowl natural.*

Na postagem inicial constava o nome Coitê, um dos nomes populares citados na Flora Brasiliensis revistada. Antonio Sergio F. Castro, do site Flora do Ceará me alerta para o nome Coité e diz não conhecer a palavra com acento circunflexo. 

De fato aqui no Centro Oeste e no Sul se pronuncia Coité... e se no nordeste tambem, daí a troca. Se algum leitor de outras regiões conhece a pronuncia Coitê, se pronuncie, agradecemos a informação!Plant of the Week 01/31/2005;"




http://pt.wikipedia.org/wiki/Crescentia_cujete

Postagens mais visitadas deste blog

A verga do Berimbau - Manejo da Biriba

A Eschweilera ovata, também conhecida como biriba-branca, biribá-branco, imbiriba, embiriba, matamatá, matamatá-preto, sapucaia-mirim.
É muito comum no Nordeste, mas ocorre também nas regiões Norte, Cento-oeste e Sudeste. Madeira flexível e resistente que suporta o arqueamento e pressão sem ceder muito é a madeira preferida para a fabricação deberimbau. Obs.: outras madeiras são citadas como utilizadas para a fabricação de berimbau como: biriba-cabeluda, biriba-roxa, pau-pereira/guatambu, taipoca, pau-d’arco (às vezes taipoca e pau-d’arco parecem ser a mesma espécie, às vezes não), canela, araçá, maricá, pau-pombo, conduru e até mesmo cinamomo e eucalipto (em Portugal).
Com exceção do cinamomo, as outras espécies não foram incluídas porque não foi possível chegar ao nome científico de maneira confiável. O cinamomo (Melia azedarach) não foi incluído porque foi mencionado que, apesar de utilizado, o som não fica bom.

Pessoal, aqui do nosso lado conhecemos esta árvore como "panelinh…

Biriba: Conhecendo a Melhor Época de Corte da Madeira

"É lua minguante, eu vou cortar madeira
Madeira boa não corta na lua cheia..."(RUSSO – ACAPOEIRA, VITORIA, BR)
Uma das funções primordiais das cantigas na roda de capoeira é transmitir informação ao ouvinte, seja histórica, moral ou filosófica. A ancestralidade da capoeira deve-se muito a esta forma de divulgar os ensinamentos que são conhecidos na capoeira como 'fundamentos'. Diante disto, toda musica ou cantiga de capoeira tem uma função, uma razão de existir.


O trecho da musica citada acima exemplifica esta máxima ensina ao aprendiz um segredo milenar: a época certa do corte da biriba.

Quando começamos a colher biriba e produzir berimbaus, percebemos que existiu uma diferença entre um lote e outro, mas achávamos que era somente nossa inexperiência no trato com o instrumento. Com o passar do tempo porem, percebemos que essa diferença persistia, e resolvemos pesquisar sobre o assunto.
A biriba se presta a vários usos alem da confecção do berimbau. É madeira dura, forte…

Idalina: toque para jogo de Navalhas

Foi numa roda de Idalina
Que eu vi mestre Bimba jogar com navalha
Deu meia-lua, cabeçada, gingou,
Deu armada depois a navalha cortou


CORO:
Jogo de Idalina golpe de navalha
Passando pra lá e pra cá

A navalha no bolso
Não tem perigo não
O corte da navalha é feito
Quando ela está na mão

CORO:A navalha no bolso não tem perigo não

Pra jogar com navalha você tem que ter muita atenção
CORO:A navalha no bolso não tem perigo não

O mestre Bimba jogava e o povo prestava atenção
CORO:A navalha no bolso não tem perigo não

Na roda de Idalina jogue com a navalha no pé e na mão
CORO:A navalha no bolso não tem perigo não
A gente ouve falar do toque de Idalina, jogo com navalhas, mas não conhece muito a história. Sabemos que os capoeiras de antigamente não usavam só os pés e as mãos para praticar o que antes era muito mais luta e auto-defesa do que esporte-arte. E também que nessa época valia tudo para fugir dos feitores (época do maculelê com pedaços de pau de cana-de-açúcar) e da polícia (valia tudo: foice, navalha...…